castelán

O Colectivo de Narradoras e Narradores Orais de Galicia.

Integrado por 52 profesionais, asociacións, empresas galegas e cooperativas dedicadas á narración oral e que habitualmente desenvolven parte importante do seu traballo nas bibliotecas de Galicia ao abeiro do programa Ler Conta Moito que promove a Dirección Xeral de Políticas Culturais

Manifestan


A profunda preocupación polo decorrer do devandito programa que ano a ano atrasa a súa convocatoria con serias consecuencias para o colectivo.

No 2018 os narradores e narradoras participantes no catálogo só puideron ser contratados nos meses de maio (dende o día 16), xuño, xullo, agosto, setembro e outubro.

No 2019 imos camiño do mesmo xa que o prazo para que as bibliotecas poidan solicitar as actividades que están inscritas no programa abre hoxe, 1 de abril.

Queremos, por outro lado, sinalar a sorprendente falta de coherencia dun programa que intenta fomentar as actividades que se circunscriben ou potencian datas culturais significativas tal que o día da Muller (8 de marzo), o día da Narración Oral (20 de marzo), o Día da Poesía (21 de marzo), o Día do Libro Infantil e Xuvenil (2 de abril), o Día do Libro (23 de abril), o Día das Letras Galegas (17 de maio), o Día da Biblioteca (24 de outubro), o Día contra a violencia de xénero (24 de novembro) cando a maioría das devanditas datas quedan fóra das posibilidades reais de programación o que significa unha grande perda de carga laboral no colectivo.

castelán

A voz da nai é a primeira que recoñece unha crianza ó saír ó mundo. E aí préndese a chispa da nosa historia propia e singular, como comunidade cultural, atravesada  pola cuestión de xénero que nos tocou.

Entendemos esa voz, a lingua materna, como elemento troncal das nosas vidas. 

A voz das mulleres referente dos coidados, do traballo, do sustento da casa,  nexo da familia e da comunidade, identificada coa terra, coa memoria e coa fortaleza; son esas mulleres, elas, vimbios indispensables da nosa cultura viva, referentes da palabra falada, cantada ou non dita.

Atoparon nas artes da música e do baile unha liberdade descoñecida, e romperon con todo, creando códigos retóricos, deixándose ir na creación artística cara a liberdade, nun mundo xerido polo clericalismo e o patriarcado máis acérrimo. Foi a súa unha loita entrocada na música e no baile, foron as tocadoras e cantadoras do prohibido, e convertéronse así nas máximas representantes da coñecida frase de Emma Goldman: “Se non podo bailar, a túa revolución non me interesa”. 

castelán

A noite pasada deixounos un amigo, Xabier Docampo, escritor que tanto fixo pola literatura infantil e xuvenil en Galiza e no mundo todo, contador de historias, mestre e sobre todo un home inmenso.  A súa voz grave chea de sentido do humor e boa conversa resoará para sempre na Escola de Verán de Aeda onde nos regalou cunha conferencia cheíña de certezas e dúbidas, sobre a que sobrevoaba o seu sorriso sabio.  Levamos as súas ensinanzas e as súas palabras a modo de colar, penduradas do peito, pretiño do corazón. 

IMG 7347

castelán – inglés – catalán – eúscaro

PALABRAS QUE TENDEN PONTES

As xentes da narración oral vivimos de contarmos, de dicirmos, de falarmos, somos homes e mulleres de palabra, de palabras, e coñecemos a forza que se agocha tras delas. Sabemos que as palabras poden destruír e construír, empurrar e apertar, ferir e sandar... Xa que logo, nestes días convulsos desde AEDA queremos condenar calquera tipo de violencia, quer verbal, quer física, e facemos un chamamento ao diálogo, un chamamento para habilitar espazos de palabra partillada e de encontro, lugares nos que se cultiven palabras das que tenden pontes, das que edifican espazos de convivencia, das que achegan as persoas.

E este non é só un chamamento aos políticos e políticas, que tamén, é un chamamento a todos os protagonistas atrapados polo rodopío destes días, a xornalistas, a xentes da cultura, a figuras públicas, a uns, a outros, a ti, a vós, a nós, a todos. 

 

espanhol / Inglês

Conheci o Tim Bowley em 2004 nas Palavras Andarilhas em Beja. Ele pareceu-me uma árvore alta com um brilhozinho de menino nos olhos. Ao lado dele estavaCasilda Regueiro, para "traducontar" as suas histórias para o espanhol. O pas de deuxdeles em cima do palco era maravilhoso de ver, mas o que mais me impressionou foi a voz dele e a forma como ela nos abraçava com firmeza e nos levava em viagens para lugares distantes do mundo, mas tão perto dos nossos corações. Foi uma noite completamente cativante!

Tim começou a vir a Portugal no final dos anos 90 para contar e dar formação (em 1998 em Braga e depois em 1999 em Lisboa) e tornou-se um dos primeiros contadores de histórias internacionais a chamar a atenção do público português. Desde então contou histórias para milhares de ouvintes sorridentes e partilhou a sua experiência e conhecimento com centenas de professores, educadores, bibliotecários e contadores de histórias. Mas como é que só então cruzei caminhos com este grande contador de histórias? A verdade é que fiquei viciada a partir desse momento e conduzia quilómetros para vê-lo a ele e à Casilda e mais tarde também com a Charo Pita sempre que contavam histórias em Portugal. Entre outros lugares, Tim contou em Braga, Beja, Lisboa, Oeiras, Pombal, Vila Nova de Paiva, Montemor, Vilamoura, Óbidos, Tavira, Coimbra ..

Tive a sorte de começar a perseguir narradores antes da crise ter atingido o país, quando as bibliotecas e municípios em Portugal ainda podiam contratar os melhores para vir ao nosso pequeno jardim à beira-mar. Tim Bowley é um nome que faz sorrir muitos portugueses e portuguesas. Ele deu vários workshops, um dos quais foi um curso intensivo em Oeiras em que tive a sorte de participar, e muitas histórias maravilhosas encheram serões em todo o país. Algumas das suas histórias e coleções de contos foram publicadas em português e estão nos corações e nas pontas das línguas de muitos contadores de histórias aqui. Rara é a sessão de contos, especialmente com crianças, quando eu não tiro do saco o seu livro, "Jaime e as bolotas", para brincar com o público com as repetições e relembrar os ciclos da vida e como é importante persistir na sua protecção.